Evidentemente que a eliminação de uma seleção de futebol feminino dói bem menos do que no futebol masculino. É uma questão de tradição. O Brasil é pentacampeão do mundo e sempre esperamos que ele seja campeão de qualquer torneio.
Mas as meninas do Brasil hoje honraram a camisa amarela. Fizeram um jogaço contra a anfitriã França e perderam apenas na prorrogação. Tiveram chances, várias chances de matar o jogo, mas faltou tranquilidade, faltou perna.
Faltou, acima de tudo, o futebol de Marta. A nossa rainha, visivelmente fora de forma, ajudou pouco participou muito pouco.
Em todo o noticiário esportivo pós-jogo, prevaleceram as mensagens do tipo “valeu, guerreiras”. Mas, pensando bem, o futebol feminino – que luta por igualdade com o masculino – só vai ser considerado “grande” quando começar a tomar porrada, quando perder jogos como esse.
Dar os parabéns a quem perde, normalmente só se faz com as crianças mimadas.

4 Comentarios

  1. A seleção feminina já teve dias melhores. Seria muita ilusão acreditar que justamente agora, quando não estão na melhor fase, iriam ganhar algo.

  2. Vi boa parte do jogo e não pude identificar superioridade da França – a não ser na prorrogação, pela questão física. Aliás, se não fosse aquela baixinha que me foge o nome ser tão fominha teríamos ganho no tempo normal. As meninas não evoluem, ainda estamos naquela fase de não ganhar Copa, como ocorreu com a masculina ate 1958…

  3. Curiosamente a Seleção foi eliminada, com um gol marcado pela jogadora que tem o nome de Henry.

  4. Marta e Formiga, duas grandes ex jogadoras, pode até jogar , no máximo 60 minutos,não aguentam mais os 90 minutos de jogo no mesmo ritimo, estão vivendo na seleção por falta de matéria prima, boas substitutas.As que entraram nos lugares das que sairam eram muito fracas , mesmo como reservas na seleção masculina o ritimo não caem tanto e ainda, as vezes, melhora.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare