Captura de Tela 2017-09-05 às 19.38.16
Por mais que o técnico Tite tente manter o entusiasmo dos seus jogadores, o Brasil cumpriu apenas a sua obrigação em Barranquilla, diante de um adversário que jogou “uma final”. A Colômbia precisava somar pelo menos um ponto.
Foi um jogo tecnicamente fraco. Certamente por causa do gramado muito esburacado, era comum as “caneladas” na bola, sempre difícil de ser dominada e controlada.
Mas os colombianos estavam numa guerra. Jogo bruto, mesmo. Serviu pelo menos como um teste de nervos, principalmente para Neymar, que desta vez não abusou do individualismo. Ele foi muito marcado, caçado pelos zagueiros, e não revidou, nem perdeu a paciência.
O gol de William surgiu de uma assistência genal de Neymar. Ele criou outras chances e compreendeu bem a sua importância. Com ou sem a bola.
As mudanças que Tite promoveu tiraram um pouco do entrosamento. Marcelo fez falta na lateral, principalmente no aspecto ofensivo. No meio de campo, Fernandinho tem praticamente o mesmo nível de Casemiro, que não foi utilizado.
Mas do meio pra frente, ficou difícil de jogar com Firmino. Tite demorou para colocar Gabriel Jesus. Philippe Coutinho, idem. Mas já deu pra perceber o que Tite está querendo preparar para a Copa: um quarteto com Coutinho, William, Neymar e Gabriel. Sobraria Renato Augusto, como uma opção tática.
Enfim, foi um jogo treino para o Brasil. E o time mais uma vez mostrou que está crescendo. Pode ir muito longe. Muito além da Rússia.

2 Comentarios

  1. Acho que puxaram o freio depois que se classificaram.

  2. Consideraram como jogo amistoso, até troca de carinhos houve durante o jogo.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare