Alexandre Kalil, atual prefeito de BH e ex-presidente do Atlético-MG, pegou pesado com a Globo e o Flamengo:
“Os clubes têm que mandar a televisão (Globo, detentora dos direitos de transmissão do Brasileirão) fazer o Campeonato apenas com o Flamengo. É hora de fazer uma grande guerra. Eles (TV) vão perder audiência. Se não for feito, os clubes vão fechar as portas”, disse em entrevista.
Para Kalil, a única solução é diminuir a cota do time carioca e, consequentemente, a disparidade em relação aos outros concorrentes da Série A. De acordo com estudo da empresa de consultoria Ernest & Young, em caso de título, o Flamengo receberia cerca de R$327 milhões em cotas no Brasileirão 2019. Este valor, inclusive, é de R$147 milhões a mais que a projeção feita para o ano passada.
“Enquanto isso não acontecesse (o Flamengo entrar com força máxima no mercado), os clubes não iam acordar. Na última vez que negociei com eles (Globo), não deixei nem subirem na sede. Ficaram na calçada da Olegário Maciel. O Atlético foi o último a assinar”, disse o prefeito.

4 Comentarios

  1. Mas assinou, né? Agora que não está mais no Galo fica fácil esbravejar.

  2. Mas como assim? O novo modelo de distribuição de cotas foi idealizado justamente pelos clubes ditos insatisfeitos com o modelo antigo, agora estão reclamando de algo que eles próprio criaram?

  3. O Flamengo é o clube de maior penetração no território nacional. Maior torcida no Rio, Espírito Santo, Santa Catarina, Norte, Nordeste e Centro-Oeste do País. Não há como fazer a implementação de um sistema socialista na distribuição de cotas, até mesmo por que também existe uma certa disparidade no potencial de marca dos clubes!

  4. A globo e tão flamengo que quanto mais eles puxão o saco do flamengo menos títulos eles ganhão kkkk

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare