5d39f8ccf8b92d99a760aa6336cd29a1

No Correio Braziliense (Por Marcos Paulo Lima) – Se a presença de Neymar e as ausências de medalhões como Lionel Messi (Argentina), Cristiano Ronaldo (Portugal), Ibrahimovic (Suécia) e Thomas Müller (Alemanha) dão favoritismo ao anfitrião Brasil no torneio de futebol masculino do Jogos Olímpicos do Rio-2016, o valor de mercado dos 18 comandados de Rogério Micale aumenta ainda mais a obrigação de conquistar a inédita medalha de ouro dentro de casa.

Um levantamento do site alemão Transfermarkt, especializado no mercado da bola, classifica o elenco da Seleção Brasileira como o mais caro entre os 16 que vão disputar o torneio de futebol masculino a partir de 4 de agosto. Segundo as contas, os 18 convocados por Micale custam juntos € 230,7 milhões, o equivalente a R$ 826 milhões.  Neymar é o mais caro da competição, avaliado em € 100 milhões (R$ 358 milhões).

A medalha de prata fica com o elenco da Alemanha, avaliado em € 119,7 milhões (R$ 428,5 milhões); e o bronze, com a Argentina, cujo valor de mercado está orçado em € 80,8 milhões, ou R$ 289,2 milhões no levantamento do Transfermarkt. Como Vietto, avaliado em € 14 milhões,  não foi liberado e trocado na convocação por Jonathan Calleri (€ 10 milhões), ex-São Paulo, o site sofrerá atualizações e o valor do elenco dos hermanos vai cair para € 76,8 milhões.

Adversários do Brasil na fase de grupos, África do Sul, Iraque e Dinamarca custam juntos € 27,4 milhões (R$ 98 milhões), oito vezes menos do que o elenco da Seleção.

O site chegou a formar um time com os jogadores mais caros das Olimpíadas por posição — só esqueceu de substituir o centroavante Vietto, que não foi liberado pelo Atlético de Madri. A conta dá € 238,5 milhões (R$ 853,8 milhões). A equipe é formada por Horn (Alemanha); Ricardo Esgaio (Portugal), Matthias Ginter (Alemanha), Marquinhos (Brasil) e Douglas Santos (Brasil); Lars Bender (Alemanha) e Leon Goretzka (Alemanha); Gabigol (Brasil), Max Meyer (Alemanha) e Neymar; Luciano Vietto (Argentina) — substituído na lista da Argentina por Calleri, que disputou o primeiro semestre pelo camisa do São Paulo.

1 Comentário

  1. Normal, todo ano o Brasil lança muitas promessas que se valorizam rápido demais.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare