fifa-262x300No Estadão (Por Jamil Chade) – A nova direção da Fifa ainda não definiu onde será a Copa do Mundo de 2026. Mas já sabe que não vai mais poder exigir o “padrão Fifa” da forma que ocorreu no Brasil em 2014 e que levou a entidade a sofrer forte resistência da população e mesmo das autoridades públicas.

Nesta quinta-feira, um novo capitulo começa na história da Fifa. A entidade, obrigada a ser reformada diante do risco de desaparecer, se reúne pela primeira vez em seu novo formato, com um conselho expandido e diante da expulsão ou suspensão, nos últimos quatro anos, de cerca de 70 cartolas ou empresários. Mas velhos hábitos não desaparecem, como a distribuição de dinheiro aos dirigentes de todo o mundo.

O que a entidade sabe que tem de mudar é em sua relação com o público, caminhando no sentido de aceitar as condições do país que sediará o evento e evitando fazer cobranças fora da realidade da economia local. Conforme o Estado revelou, a Fifa vai tentar fazer aprovar uma nova regra permitindo que a Copa do Mundo ocorra não mais em um país, mas numa região.

1 Comentário

  1. Acho uma decisão bem sensata, mas vale salientar que foi o Brasil que quis fazer 12 sedes, ao invés das 7 recomendadas pela FIFA. A gente sabe por que né?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare