No blog de Cosme Rímoli (R7) – Fechamos o G5, incluindo Palmeiras, Santos, Bahia e Coritiba para negociar Rede-Globo-Logo7a TV aberta e pay-per-view. Há uma grande injustiça no pay-per-view. O Atlético não se conforma com isso e temos certeza de que vamos melhorar muito. A partir de 2019, devemos dobrar o valor que recebemos em 2018.”

Dessa maneira direta, Mario Celso Petraglia confirmou os boatos que dominavam os bastidores do futebol brasileiro. Palmeiras, Santos, Coritiba, Bahia e Atlético Paranaense se juntaram. Formaram o que batizaram de G5.

E vão enfrentar o monopólio da TV Globo.

Essas cinco equipes da Série A assinaram com o Esporte Interativo. E terão seus jogos transmitidos pela emissora pertencente à bilionária Turner. Na tevê a cabo acabou o privilégio do Sportv, canal que pertence à Globo. De 2019 a 2024, esse quinteto já fechou com o EE. Além deles, o Internacional, Ponte Preta, Ceará, Sampaio Corrêa, Criciúma, Joinville, Paysandu e Paraná e o Fortaleza.

O mercado esperava que todos estes clubes seguissem negociando a transmissão por canal aberto e pay-per-view de maneira direta com a Globo. Só que não. Esse quinteto resolveu se unir. E atuar como quando existia o clube dos 13. Os maiores clubes brasileiros negociavam irmanados os direitos dos jogos.

A união durou de 1987 a 2011. Neste período, as emissoras interessadas em mostrarem os jogos do Brasileiro participavam de uma concorrência aberta. Quem ganhasse ficava com todo o Brasileiro. Mas o Clube dos 13 acabou em 2011. Quando a Globo passava por uma crise financeira e estava ameaçada de perder o monopólio do futebol no país. A Record tinha condições reais de ganhar a concorrência.

Foi quando a Globo utilizou seus maiores aliados. Andrés Sanchez era o presidente do Corinthians, clube que sempre recebeu a mais da emissora carioca, junto com o Flamengo. Andrés procurou a cúpula flamenguista e implodiram o C13. A tática foi simples. Alegaram que não negociariam mais em conjunto. Apenas separados. Os clubes mais populares do país foram seguidos pelos outras outra equipes nacionais. E o Clube dos 13 deixou de ter motivo para seguir existindo. Foi um golpe genial.

A Globo, tendo a CBF como aliada, seguiu tendo o futebol nas mãos. Até que em 2016, o Esporte Interativo entrou em cena. Enfrentou a Globo. Se aproveitou do descontentamento e do pouco dinheiro reservado pelo Sportv para os clubes brasileiros. A emissora da Turner conseguiu uma insurreição. E tem o direito de mostrar jogos do Brasileiro de 14 equipes a partir de 2019.

 

1 Comentário

  1. A Record até hj não se conforma do não do Corinthians em 2011, esse canal fez várias matérias atacando o clube o estádio e a CBF, reclama da Globo que paga mais pra certos clubes mas ela ía fazer o mesmo. Cosme sabe muito bem disso!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare