captura-de-tela-2016-12-10-as-07-36-14

No Estado de Minas (Por Túlio Kaizer) – Ronaldinho firmou contrato com o clube mineiro em 4 de junho de 2012, com salário de R$ 300 mil. Em 30 de novembro de 2012, foi feito um aditivo até 31 de dezembro de 2013, mantendo o salário. Já em janeiro de 2014, novo aditivo, até 31 de dezembro, seguindo com 300 mil de salário. A rescisão foi acertada em julho daquele ano.

De acordo com a petição inicial, o Atlético teria que fazer o pagamento de duas parcelas mensais no valor de R$ 415.082,50 cada nos dias 25/08/2014 e 25/09/2014. Contudo, o depósito foi efetivado somente na primeira semana do mês de julho deste ano, quase dois anos após a extinção do contrato de trabalho.

O julgamento, feito pelo juiz Daniel Cordeiro Gazola, foi realizado no dia 14 de novembro, na 30ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, no Barro Preto.

A reportagem do Superesportes entrou em contato com Lásaro Cunha, diretor jurídico do Atlético. Ele explicou os motivos que fazem o clube acreditar em reviravolta na Justiça: valor pago corrigidamente e a situação de Ronaldinho. Para o diretor, o jogador, por ter um contrato diferente, não deve se apegar à legislação comum.

“Se discute no processo parcelas rescisórias. As parcelas foram pagas fora do prazo de dez dias. Mas o acordo foi feito com os procuradores do Ronaldinho. O Atlético pagou fora do prazo, mas com o valor corrigido monetariamente. A legislação implica multa de 100%. A defesa do Atlético é que houve um acerto, o valor foi corrigido monetariamente. E um jogador como o Ronaldo tem um contrato especial, diferente de um trabalhador comum. Ele não é um trabalhador comum, ele é um jogador de futebol. Jogadores que ganham esse valor não podem se aplicar na legislação comum. Como houve acerto, a gente entende que a legislação trabalhista não vale nesse caso. Mas é direito dele ir à Justiça”, disse.

O Atlético já recorreu da decisão da Justiça e uma nova audiência deve ser marcada. Lásaro acredita que o processo vai demorar mais de um ano para ter um desfecho.

“O Atlético recorreu. Esse julgamento deve demorar, no mínimo, um ano para acontecer. Cada um está olhando o seu lado. Ronaldinho olhando o dele e o Atlético também”, completou.

1 Comentário

  1. Ele foi a Justiça por 300 mil reais???? O que são 300 mil reais pra ele? Valeu a pena processar o clube que lhe deu uma segunda chance, por “apenas” 300 mil reais?? Que horror!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare