Por Miguel Jabour (*) – Na década de 1960 a cantora Dolores Duran costumava se apresentar numa famosa boate no Beco das Garrafas, em Copacabana, no Rio. Havia um assíduo frequentador que sempre sentava à primeira mesa, mas de costas para o palco. O cliente invariavelmente mandava o garçom entregar a ela um bilhete contendo um pedido musical, com a seguinte determinação: “manda essa neguinha cantar essa música”. De madrugada ele pedida uma refeição para comer em casa, só que não carregava a encomenda pois pedia para o garçom leva-la até o seu carro. A sucessiva humilhação incomodava a cantora, tanto que contou para o seu namorado, o compositor Billy Blanco. Em poucos minutos ele compôs a música “A pose do distinto”, que começava assim: não fala com pobre/ não dá mão a preto/ não carrega embrulho/ pra que tanta banca doutor, para que tanto orgulho. A vingança da cantora foi interpretá-la na frente dele, que, depois disso, nunca mais apareceu por lá.

Tem gente que recebe uma promoção, passa num concurso ou é eleito para um mandato qualquer e fica metida a besta. Só que na vida tem sempre o dia seguinte. Um imprescindível executivo de uma multinacional pode, de uma hora para outra, ser demitido e responder um bilionário processo, como foi o caso do presidente da poderosa Vale do Rio Doce no desastre de Brumadinho. Pode também, do dia para a noite, passar de figurão citado nas colunas sociais a frequentador das páginas policiais, no mesmo veículo de comunicação. Que ninguém tenha a ilusão de ser insubstituível, pois quando se sai de um prestigiado cargo, o nome é retirado mailling e outro é, imediatamente, colocado no lugar.

A lição da música do Billy Blanco está nos últimos versos quando ele diz: mais alto o coqueiro/ maior é o tombo do coco/ afinal todo mundo é igual/ quando a vida termina/ com terra por cima e na horizontal.

Os mais novos não conheceram um personagem criado pelo Jô Soares, onde a uma certa altura do quadro o humorista perguntava: sabe quanto vales? Sabes quanto vales? E a resposta  era: vales zero!

  • Miguel Jabour é advogado, publicitário e consultor master da El-Kouba. Ele escreve aos sábados aqui no blog. (artigo publicado originalmente em 23/nov/19)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare