A exatos 30 dias para o início das Olimpíadas de Tóquio, a líder da América Latina, MRV, publica manifesto do projeto #ElasTransformam encorajando as mulheres e atletas brasileiras a transformarem suas realidades, lutando pelos seus sonhos e enfrentando o que for preciso. Há mais de um ano, a empresa selecionou 12 grandes atletas mulheres de diversas modalidades no esporte, que competiram por vagas nos jogos de Tóquio, e integram a seleção, recebendo apoio financeiro por 24 meses – antes, durante e depois das Olimpíadas – além da mascote Lari Gol, que sonha em ser jogadora de futebol.

Hoje, dia 23 de junho, é celebrado o Dia do Atleta Olímpico e a MRV, rodeada por atletas e futuras atletas olímpicas, só tem a comemorar. Maurren Maggi, maior nome da história do atletismo feminino do Brasil ganhadora da medalha de ouro no salto em distância dos Jogos Olímpicos em Pequim, é a capitã do #ElasTransformam, acompanhando as atletas e suas performances ao longo de todo o projeto.

Dentre as esportistas selecionadas pela companhia, as que já estão embarcando para Tóquio são: Aline Silva (Wrestling Olímpico); Ana Patricia Ramos (Vôlei de Praia); Ana Sátila (Canoagem); Beatriz Ferreira (Boxe); Bruna Takahashi (Tênis de Mesa); Flavia Saraiva (Ginástica Artística); Kahena Kunze (Vela); Luisa Baptista (Modalidade: Triathlon); Rayssa Leal (Skate Street) e Silvana Lima (Surf).

“A mulher tem um poder transformador na sociedade que precisa ser exaltado. E o esporte não pode ficar de fora. Nós, como uma das empresas brasileiras que mais investem no esporte nacional, queremos ser um meio importante de apoio para que essas mulheres realizem seus sonhos e sirvam de inspiração para outras mulheres”, conta Alexia Faleiro Duffles Drummond, diretora de Marketing da MRV. A igualdade de gênero é uma causa abraçada pela companhia, que tem desenvolvido e incentivado iniciativas nesse sentido. No mês dos namorados, a MRV criou a campanha #ElasPedem, que incentiva as mulheres a questionarem as convenções sociais que limitam sua liberdade e irem atrás de seus sonhos. E se o sonho for casar-se, por que esperar a iniciativa do seu companheiro ou companheira?

Veja AQUI o vídeo do manifesto.

4 Comentarios

  1. Muito bem. Quanto mais a mulher for valorizada, melhor. Homens, em geral, não têm noção das nossas dificuldades diárias. Ações que destaquem as mulheres, dêem visibilidade a sua importância são essenciais.

  2. Não temos que valorizar a mulher (não só ela, eu quero dizer). Temos que valorizar o ser humano…

  3. Temos que valorizá-las, onde elas ainda são diminuídas e desacreditadas: continuar com o combate ao assédio (ao invés de dizer que é só mimimi, ilação ou oportunismo)…; aceitar que uma mulher pode ter intelecto e habilidades, como qualquer homem, e não simplesmente duvidar de como ela conseguiu prosperar na profissão …; parar com essa cobrança surreal em relação a sua aparência física…; não confundir uma saudação educada e simpática, com um flerte…; não esperar que elas sejam a mulher Maravilha: super mães, esposas, profissionais, e estar com o corpo em dia, não há essa cobrança em relação aos homens, né? E por aí vai… Certa vez, numa entrevista, o técnico da seleção de vôlei, JR Guimarães, disse que achava muito complicado treinar mulheres, que não gostava, que homens eram muito mais simples…, mas procurou entender essa dificuldade e que depois de estudar sobre a anatomia/fisiologia feminina e aprender como o nosso organismo era complexo, principalmente pela questão hormonal, ele caiu em si e percebeu que não podia trabalhar com os dois grupos da mesma forma, e até se arrependia de algumas atitudes com as meninas. Mulheres passam por perrengues que são muito particulares e pela simples condição de gênero. Mas retifico meu comentário inicial, pois há julgamentos errôneos até das próprias mulheres ( machistas e feministas – eu mesma me pego fazendo vários julgamentos também 😳), e não só de homens. Acredito na igualdade de gênero, mas é preciso encarar as diferenças, fazer essas ressalvas. Tenho certeza que você não trataria uma filha igual um filho, não estou dizendo de amar mais um ao outro, mas você sabe que ela estaria exposta a perigos e problemas que o filho homem não estaria, e portanto o cuidado e proteção seriam maiores. É sobre isso.

  4. Eu adoraria ter tido uma filha (desde, é claro, que sem o sacrifício de nenhum dos meus 3 filhos – inclusive o que perdi com dois dias apenas). Mas até esse desejo trivial , ainda que reconhecido e aceito como tal, poderia ser usado contra mim, pois dirão que, à semelhança do homofóbico que diz ter amigos gays, essa vontade de ter tido uma filha é alguma válvula de escape por compensação ou qualquer outro mecanismo de justificação conservador…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare