No jornal argentino ‘Olé’ – Ele não podia, mas ele fez o mesmo. De suas palavras, Marcelo Gallardo disse que ele fez isso porque ele sentiu que tinha que fazer isso. O que ele quis dizer? Que ele desceu do camarote para ir ao camarim para ver seus jogadores, algo que era proibido de estar suspenso. E, além disso, na transmissão, observou-se que ele se comunicou com sua equipe técnica, mais precisamente com Hernán Buján. Mas tendo não cumprido a sanção proposta no artigo 76, agora foi exposto a uma penalidade mais forte por condição agravante.
ARTIGO 76 – EXECUÇÃO ORDINÁRIA DAS SUSPENSÕES
1. O director desportivo / treinador, qualquer membro da equipa técnica ou outros funcionários, sancionados com a suspensão das suas funções, podem assistir aos jogos em que a sua suspensão é válida apenas nos camarotes. Você não pode acessar os bancos de vestiário, túnel ou área técnica antes ou durante o jogo, nem pode, por qualquer meio de se comunicar com o computador.
2. As suspensões impostas a um jogador / técnico aplicam-se tanto ao status do jogador quanto do treinador.
3. Se um jogador que tenha sido suspenso por um mínimo de três jogos adquire a capacidade de diretor / técnico esportivo durante o período da suspensão, ele deve cumprir a parte restante da penalidade em sua nova condição.

2 Comentarios

  1. Provavelmente o River pagará uma multa, essa será a punição.

  2. Ele deveria ter feito igual Titeco, que ficou na torcida, no jogo contra o Vasco se não me engano. Pelo menos serviria pra sair bem na foto e ficar bem com a torcida.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare