Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, entre os 301 atletas que compõem a delegação do Brasil em Tóquio, somente três são nascidos na região norte do país. Lucas Mazzo, da marcha atlética, e Rogério Moraes Ferreira, do handebol, são paraenses. Já o nadador roraimense Luiz Altamir está classificado para o revezamento 4 x 200 metros livre.

Na outra ponta, o Sudeste, a região com mais integrantes, reúne 182 competidores, 108 dos quais do estado de São Paulo. O Rio de Janeiro, por sua vez, tem 49 atletas, Minas Gerais, 20, e o Espírito Santo, 5.

Assim, a região mais populosa do país, onde vivem 42% dos brasileiros, concentra 60% da delegação olímpica. A região Norte, composta por Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, por outro lado, detém 8% da população do país, mas não forma nem 1% da equipe brasileira em Tóquio.

Há, inclusive, mais atletas que nasceram em outros países e se naturalizaram brasileiros do que nortistas. São nove os que competem dessa forma pelo Brasil

Ainda em termos de população, o Centro-Oeste reúne 7% da população do país. A região que reúne os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, além do Distrito Federal, no entanto, contabiliza 14 atletas classificados à Olimpíada de Tóquio, ou 4,65% da delegação olímpica.

Outra discrepância é em relação ao Nordeste. Apesar de ter o dobro de habitantes da região Sul (14%), a segunda área mais populosa do país (28%) quase empata no número de competidores em Tóquio —são 45 nordestinos e 48 sulistas no megaevento esportivo.

Santos e Matheus Cunha: ‘Made in PB’

PARAIBANOS NO FUTEBOL

Um dado interessante pode ser extraído da seleção brasileira de futebol masculino. Dos 11 titulares que golearam a Alemanha na última quinta-feira, dois nasceram na Paraíba: o goleiro Santos e o atacante Matheus Cunha. A seleção, que neste domingo enfrenta a Costa do Marfim, é formada ainda por 4 paulistas, 2 cariocas 1 pernambucano, 1 baiano e um capixaba. São eles:

Santos – Cabaceiras-PB

Daniel Alves – Juazeiro-BA

Diego Carlos – Barra Bonita-SP

Nino  Recife-PE

Guilherme Arana – São Paulo-SP

Bruno Guimarães – Rio de Janeiro-RJ

Douglas Luiz – Rio de Janeiro-RJ

Claudinho – Guarulhos-SP

Antony – Osasco-SP

Richarlison – Nova Venécia-ES

Matheus Cunha – João Pessoa-PB

2 Comentarios

  1. Não gostaria que fosse permitida a naturalização de estrangeiros pra competirem pelo Brasil. Claramente eles só o fazem para terem mais chance de disputar uma olimpíada, as vezes, eles nem têm identificação com o país. É um vexame.

  2. Dá para tirar a seguinte conclusão, O Esporte é proporcional à economia de uma Região. Quanto mais Rica a Região mais atletas de Ponta, principalmente de Esporte que demandam muitas verbas como o Hipismo, Natação, Ginastica Olimpica, Tiro, Arco e Flecha,Esgrima etc…É necessário além de Equipamentos caros, tempo pra treinamento e muitas vezes apoios financeiros dos pais desde criança onde se começa a preparação de um atleta.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare