“Se o Robinho não tem mercado no exterior por exterior por estar condenado por estupro, não deveria ter aqui, também. Não se pode aceitar aqui alguém que é condenado por estupro. Está na hora de o Brasil ter valores melhores. O passado dele como jogador é ótimo, mas ser condenado por estupro tem um peso muito maior na minha opinião. A gente fala em punição para torcedor, banir torcedor de estádio, mas com jogador a gente tem um critério diferente”, WALTER CASAGRANDE, comentarista da Rede Globo.
unnamed (3)
Comentário meu – Casagrande está sendo injusto com Robinho. Pra falar a verdade, está sendo mesquinho. Ele teve um problema sério com drogas, e, se fosse ‘julgado’ pela sua própria  régua, também não mereceria outra chance como comentarista da Globo. Depois de admitir seus pecados, voltou a trabalhar normalmente. Por que então Robinho não merece ser perdoado? Hipócrita!

14 Comentarios

  1. Na verdade há alguma sinonímia entre as situações, mas não perfeitamente. O crime de estupro atinge outra(s) pessoa(s), de forma muito mais agressiva e ultrajante do que o vício em drogas. De qualquer maneira, hipocrisia, na imprensa, é o que não falta. E vemos isso no tratamento diferenciado que se dá aos lances de arbitragem…aliás, querem coisa mais hipócrita do que a admissão, por Caio Ribeiro, de que já fez, sim, gol de mão (mostraram as imagens e ele não teve como negar), naquela semana em que demonizou o Jô pelo gol contra o Vaxcu? Ficou com cara de bunda…

    • Embora tenha havido muita hipocrisia da imprensa, realmente, que gosta de pagar de moralista quase sempre, é preciso salientar que houve um apoio, até que maciço, de jogadores e treinadores a Jô. Isso, de certa forma, desmistificou a ideia daqueles torcedores mais radicais, que 5ma11tiano sempre é atacado e condenado por simplesmente ser 5ma11tiano e dane-se a coerência e sentido de honra. Poderia ser cômodo para eles crucificar Jô, para assim, maquiavelicamente, respingar no 5ma11, e pode até ter acontecido, mas não com a mesma intensidade que ocorreu a “solidarização”. Mesmo que todo esse apoio não tenha passado de bom senso, já que, possivelmente, todos eles já se valeram da mesma malandragem em algum momento de suas carreiras, foi bacana essa “defesa da classe” ao invés de um mero oportunismo contra a “cachaça do povo”, né? Assim sendo, será que poderíamos dizer que aqueles torcedores mais implicantes e paranoicos ficaram com a mesma cara de Caio Ribeiro no citado lance, ao ver tamanha solidariedade a Jô? Rsrsrsrs…

      • Cê tá louca, minha filha? A que programas assistiu? Não houve solidariedade alguma, exceto do Edmundo, que assumiu claramente que ele não se denunciaria ao árbitro, em caso semelhante (e na imprensa a condenação foi quase unânime, e, o que é pior, não falaram dos dois pênaltis não marcados pro Corinthians, antes desse lance e que teriam definido a partida). O que é a vontade de ter argumento contra aqueles “torcedores mais radicais”, não? Rsrsrsrsrsrsrs…

  2. “Faça o que mando ,não faça o que faço “.Seria mais ou menos isso?É melhor deixar para que a justiça resolva esses casos, nós não sabemos nada da missa, qualquer pitaco é mero chute, o achismo está tomando conta de formadores de opinião.

  3. “Na verdade há alguma sinonímia entre as situações, mas não perfeitamente. O crime de estupro atinge outra(s) pessoa(s), de forma muito mais agressiva e ultrajante do que o vício em drogas.” Paulo, muito bem colocadas suas palavras, mas se o estupro atinge diretamente outra pessoa, o vício em drogas atinge indiretamente toda a sociedade, financiando a grande maioria dos crimes (roubos, assassinatos etc.) que se têm notícia. É a mesma lógica dos crimes de corrupção, que causam milhões de mortes privando as pessoas dos serviços mais básicos. Não quero com este raciocínio diminuir o crime de estupro, mas lembrar que os crimes contra o coletivo tendem a ser diminuídos em face dos crimes contra a pessoa, o que é um erro.

    • Ed, viciado não é, necessariamente, traficante, embora, dentro da esfera da moral, exclusivamente, e considerando-se o nexo causal simples, ele deva, a meu ver, sim, arcar com uma parcela de responsabilidade pelos descaminhos do tráfico! Aliás, você falou dos crimes de corrupção, e eu sou um dos maiores críticos desse tipo de atividade criminosa, exatamente pelo seu potencial de dano à coletividade. Pra mim, crimes de concussão ou de corrupção passiva deveriam ser considerados hediondos. Mas, pense comigo (com a desculpa da grosseria), se você tivesse uma filha, preferiria vê-la achacada por um servidor público ou estuprada?

  4. Nossa, Marcondes, mas que comparação mais descabida. Casagrande errou enormemente ao se envolver com as drogas, mas ele foi quem mais sofreu as consequências, juntamente com sua família. Chega um momento que isso passa a ser uma doença e, portanto, incontrolável. A culpa dele foi ter entrado nessa, mas é sabida a dificuldade e sua luta em tentar vencer o vício. Que eu saiba, ele nunca traficou, logo, só prejudicou a si mesmo. Já o caso de Robinho, não. Se, de fato, ele fez isso do que está sendo acusado, é muito mais grave e condenável. Destruiu a vida de uma pessoa, deixou marcas muito mais difíceis de apagar. Acho certíssima a posição de Casagrande, por muito menos, profissionais gabaritados tiveram suas carreiras devastadas pelo que fizeram/ falaram. William Waack mesmo, recentemente, falou em off algo que pra muitos soou racista e foi alvejado com críticas, na internet, a ponto de a Globo optar por demiti-lo a deixá-lo no ar, dando a impressão de estar minimizando a situação. Por que tanta diferença de tratamento? Ok, que quanto a Robinho nada ainda foi provado, mas, seria sensato, pra qualquer clube, não contratá-lo e, assim, evitar essa propaganda negativa e de parecer estar ignorando o problema. Eu odeio papo de feminista, mas isso mostra o quão o futebol ainda é machista. Fosse noutro ambiente, Robinho já estaria com a reputação morta e enterrada, e para sempre.

  5. Na lógica nesse nariz de aspirador ele então não deveria ter.
    Quantas e quantos vezes chagava noivado pra trabalhar.
    E outra Robinho, nem estuprar estuprou, muito provavelmente é mais uma que
    armou pra dar o golpe.

  6. Casagrande não respondeu por crime e nem foi condenado por nenhum crime.

    Péssima comparação desse jornalista. Melhore seus argumentos.

  7. Falo da imprensa, da imprensa, filha desnaturada…

  8. Ele não merece ser perdoado porque estuprou uma pessoa, atentou contra o corpo de alguém, sem consentimento. Lastimável!

  9. Quem usa droga da mal exemplo … ainda mais sendo famoso.. esse cara não devia ter tido outra chance nao!! Ganhando 60 mil por mês como se nada tivesse acontecido.. pode até ter outra chance mas com outra atividade.
    Vender sorvete na rua por exemplo… chance grande já teve…. foi jogador… com relação ao Robinho se fez tem de pagar… Casagrande fala boca seu tenhado sempre será de vidro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare