Fernando Ferreira, da Pluri Consultoria, fez comentários em sua página no Twitter sobre os balanços do principais clubes brasileiros. Ele ressalta, por exemplo, que os 35 maiores clubes do Brasil faturaram em seu conjunto R$ 5,2 bilhões. Se fossem apenas 1 empresa, seria apenas a 102ª em faturamento do País. Potencial desperdiçado.
“O rastro dos dirigentes amadores nas finanças dos clubes é absolutamente devastador. Olhando a trajetória de 10 anos, vários clubes se tornaram insolventes, quase sem possibilidade de reversão. Para eles a única alternativa é a transformação em empresa”, diz.
Destaquei, a seguir – na avaliação de Fernando Ferreira – os quatro grandes de São Paulo e do Rio de Janeiro:
Captura de Tela 2018-05-03 às 22.07.11
CORINTHIANS: – Dívida líquida subiu 5% e bateu em R$ 448 milhões, a maior da história do clube em termos absolutos, sendo 49% de curto prazo; – Relação dívida / receita subiu 35%, para 1,3x, nível não tão alto para a média do futebol Brasileiro, mas o maior da história do clube;
PALMEIRAS: Relação dívida / receita subiu 35%, para 0,9, nível baixo equivalente ao do Flamengo; – Dos 110 atletas profissionais e do sub-20, 46 pertencem 100% ao clube, enquanto 19 tem 0%. Patrimônio Líquido voltou a ser positivo depois de 8 anos, + R$ 28 MM
SÃO PAULO: Dívida líquida caiu 12% e bateu em R$ 295 milhões, com 24% dela sendo de curto prazo; – Relação dívida / receita caiu 27%, para 0,6, uma das menores do futebol Brasileiro, e o menor nível desde 2010.
SANTOS: Dívida líquida subiu 1% para R$ 361 milhões, 3o. maior nível da história do clube; – Forte aumento do % da dívida de curto prazo sobre o total, de 34% em 2016 para 50% em 2017%; – Relação dívida / receita subiu 4%, para 1,3, patamar razoável pro futebol Brasileiro.
BOTAFOGO: Relação dívida / receita caiu 35%, para 3,5x, nível ainda muito alto, mas o mais baixo da história do clube; – Dívida de curto prazo caiu 25% para R$ 160 milhões; – Dos 112 atletas do clube, 60 pertencem 100% ao clube, enquanto 22 tem 0%.
FLUMINENSE: Dívida líquida do FLU bate em R$ 561 Milhões. Buraco de curto prazo de R$ 187 milhões. Fluminense publicou balancinho de 2 páginas no site, aos 48 do segundo tempo. Teve Mega prejuízo de R$ 79 milhões, contra superávit de R$ 8 milhões em 2016. Despesas financeiras líquidas de R$43 milhões, 17% das despesas totais. Isso é inviável.
FLAMENGO: Flamengo teve Redução de 16% no endividamento líquido, que ficou em R$ 541 milhões, equivalente a 0.86 x a receita líquida, contra 1.33 em 2016; Flamengo teve Superávit recorde de R$ 159 milhões, ainda maior que o já elevado R$ 153 milhões ano passado. Vinicius Jr explica a maior parte do resultado.
VASCO: Endividamento líquido do Vasco subiu 10% para R$ 506 milhões. Relação dívida / receita bateu em 2.72x, 22% de alta. Receitas com bilheteria do Vasco em 2017: R$ 4 milhões. Receita do Vasco caiu 10% para R$ 190 milhões. Isso porque dentro desta conta tem R$ 55 milhões de vendas de atletas. É o clube mais ineficiente na geração de receitas em relação a seu porte.

3 Comentarios

  1. Não é só amadorismo, é sem-vergonhice, também, e, diria, até principalmente. Ogrande gargalo disso é que eles dominam os clubes sociais e os sócios são tão sem vergonhas quanto os dirigentes, ou ignorantes, ou burros…tá difícil ver a luz no fim do túnel.

  2. Não só isso. Tem muito roubo também!!!!!

  3. Os Clubes são administrados como os Municipios, Estados e o País, a grande maioria estão endividados, mas os Politicos e Dirigentes, vão muito bem obrigado, não estão endividados e também não largam o osso.Acho que são muito bem administrado dependendo do ponto de referência que se olha.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare