No jornal mexicano Récord:

A ilusão da medalha de ouro desapareceu em onze passos. Mais uma vez as malditas penalidades foram a sentença de morte da Seleção Mexicana que lutou e competiu frente a frente com o Brasil por 120 minutos, mas a imprecisão reapareceu.

O primeiro tempo foi uma verdadeira tortura para a seleção nacional, já que a seleção sul-americana passou à ofensiva com a cadência que caracteriza o ‘Scratch du oro’, exigindo o máximo do aparato defensivo nacional, principalmente de Memo Ochoa que teve três intervenções. chaves para manter El Tri no jogo.

Douglas Luiz ia enganar o corpo de arbitragem quando mandou um passe filtrado, ele entrou na área e parou para causar contato com o zagueiro mexicano. No início, uma penalidade foi decretada, mas depois de revisar a jogada no VAR ela foi revertida e o jogo continuou.

Nos últimos cinco minutos de jogo, o México conseguiu tirar o jugo brasileiro e gerou duas chances claras de gol, a primeira na velocidade que Romo definiu desde o início e que o goleiro Santos mandou para escanteio. Alguns minutos depois, Uriel Antuna recebeu dentro da área, mas demorou a rematar e a bola foi desviada pelas costas.

Na parte complementar, Jaime Lozano decidiu modificar a sua equipa e mandou para o campo Carlos Rodríguez, com o que o Tricolor conseguiu uma maior presença no centro do campo, impedindo que o ‘Verdeamarela’ dominasse este sector do campo.
O Brasil pisou no acelerador nos últimos 10 minutos do tempo regulamentar, onde Dani Alves cruzou para Richarlison que bateu dramaticamente na trave, abafando o grito de golo dos sul-americanos.

O México tentou responder na cobrança de falta em que César Montes finalizou de cabeça, mas a bola foi direto para o goleiro Santos.

A igualdade fez com que o jogo se estendesse até a prorrogação, onde as duas equipes tentavam encontrar o alvo que valesse a pena passar para a final, embora sem correr muitos riscos, então tudo foi definido nos pênaltis.

Eduardo Aguirre e Johan Vásquez faltaram as suas equipas, enquanto o Brasil foi perfeito e não falhou, pelo que o Tricolor terá de se contentar em procurar a medalha de bronze na próxima sexta-feira, às 06:00 (hora da Cidade do México), frente ao Japão ou Espanha.

1 Comentário

  1. Estou botando fé nessa Ouro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare