O repórter Alexandre Silvestre, da TV Gazeta, fez com Muricy Ramalho uma ótima entrevista,  pela espontaneidade de falar com ele dentro do carro.

Muricy disse:

“Acho que a gente precisa (de reforços) nas três áreas. Um atrás, um no meio-campo, um atacante, um (camisa) 10 que pensa jogo… Não é difícil. O que acontece é que nossa parte econômica está complicada. Cara, a gente encontrou um negócio difícil, entendeu? Mas a gente está trabalhando demais”.

Hoje, com o engessamento das entrevistas coletivas, tudo se tornou muito mecânico e até meio chato,

Lembrei da época em que cobria a seleção brasileira para o Correio Braziliense. Nessa foto aí, Roberto Dinamite falou comigo dentro do ônibus.

Bons tempos.

2 Comentarios

  1. Pois é. Entrevistas de jogadores e técnicos costumam ser chatas e cansativas.

  2. Tem que pegar a turma quando sai do campo, lá eles tão de cabeça quente e só sai pérola e polêmica. Nessas coletivas no clube só rola o futebolês.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare