“Existem coisas que são parecidas e outras, diferentes [da Europa]. São escolas diferentes. Percebi que, aqui, fazer o gol primeiro é muito importante, porque quem o faz vai tentar controlar o jogo até o final. As equipes procuram marcar primeiro, marcar cedo e depois se fechar. Aí, no contra-ataque, fazer o segundo, talvez o terceiro. Vi a qualidade do jogador brasileiro, individualmente há muitos talentos. Em termos táticos, eles estão muitos agarrados na marcação individual: o ponta marca o lateral, o meia marca o meia… O comportamento posicional não é muito utilizado. Existe preocupação com a marcação individual, que é algo que na minha forma de pensar não existe”, RICARDO SÁ PINTO, português que dirige o time do Vasco da Gama.

1 Comentário

  1. Achei a análise dele muito boa. Sem querer desmerecer os nossos treinadores mas a maioria dos técnicos europeus e argentinos tem uma concepção de futebol muito à frente da maioria dos técnicos brasieiros.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare