Quem mora (ou já morou) em Brasília sabe como a faixa de pedestre é respeitada pelos motoristas.
Em nenhuma outra cidade brasileira é assim. Aqui em SANTOS, por exemplo, observe que atravessei com cuidado as duas faixas da Avenida Pres. Wilson, na praia do Gonzaga, na altura do Canal 3.
No meio da travessia, na faixa, ainda tentei pedir calma ao motorista do ônibus, mas ele acelerou e passou buzinando, certamente em sinal protesto à minha “petulância”.
Em 2020, o respeito ao pedestre na faixa completou 23 anos no DF. A iniciativa consagrada em 1997 deu à capital federal destaque nacional de civilidade no trânsito. E houve redução de 56,7% nos casos de mortes por atropelamento.
Deveria ser assim em todo o País, mas infelizmente não é.

4 Comentarios

  1. Não sei se o senhor já veio no Rio de Janeiro, pois aqui desrespeito as normas de trânsito e bandalha são regras e não exceções.

  2. Falta de educação e paciência são cada vez menos comuns no trânsito.

  3. Não adianta Airbag e outros sistemas de segurança se o cérebro do condutor do veículo continua do século XV. Dirijo desde 1970 e nunca me envolvi em acidentes, multas tive 4 e a última velocidade acima do permitido na Marginal, no dia que estava tendo a Fórmula Ind no Anhembi, acho que me empolguei, era 60 Por hora e eu estava próximo a 70 kmh. Tem gente que só dirige com os pés e não com o cérebro, e é que tem.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare