No site ‘Poder 360’, por Mário Andrada

Um novo fator, extra-campo, entrou na lista de requisitos necessários para a conquista da Taça Liberadores da América, a maior competição de clubes do futebol continental. Passou o tempo que bastava superar os jogos na altitude, o confronto com brasileiros e argentinos e um nível de arbitragem complexo (para dizer o mínimo). Agora é preciso que o time tenha também um respeitável lastro financeiro.

O título da “liberta” será disputado este ano por Flamengo, Palmeiras, Atlético Mineiro e Barcelona do Equador. Os brasileiros são favoritos. Têm muito mais dinheiro, elencos poderosos e estrutura idem. A 1ª rodada das semifinais foi mesta semana. Galo e Palmeiras empataram (0 a 0 em SP) enquanto, no Rio, o Flamengo derrotou o Barcelona por 2 a 0.

Desde o início do ano, a mídia especializada constata que o domínio dos brasileiros nas edições mais recentes do campeonato –Palmeiras foi campeão em 2020 e Flamengo em 2019– e a presença de 3 times daqui nas semifinais este ano são também sinais da atual superioridade financeira dos nossos times e talvez até do nosso país.

A constatação óbvia de que os times mais ricos podem comprar jogadores melhores e por isso são e sempre serão favoritos esconde nuances importantes neste caso. A principal delas é o fator “mecenas”. Torcedores fanáticos e muito ricos costumam turbinar os cofres de seus clubes do coração com empréstimos milionários a fundo perdido. Palmeiras e Atléticos são os exemplos da vez. Clube paulista que já teve a Parmalat como mecenas, agora tem a Crefisa enquanto o Galo mineiro usa um cheque especial do grupo MRV da família Menin.

A benevolência dos mecenas produz uma distorção econômica também óbvia mas muito interessante no contexto do futebol: quem deve mais, pode mais. Em julho deste ano, o Palmeiras devia R$ 143,4 milhões para a Crefisa e operou na 1ª metade do ano com um deficit de R$ 29 milhões. Mesmo assim, promete reduzir a dívida em R$ 50 milhões até fevereiro.

A situação do Atlético é bem mais complexa. O clube deve R$ 1,2 bilhão, sendo R$ 435 milhões à família Menin. O Galo espera reduzir a dívida para R$ 343 milhões até 2026 e conta com a construção de um novo estádio, bancado pelos mecenas, para aumento exponencial das receitas.

O Flamengo deve R$ 440 milhões. Tem R$ 40 milhões em caixa e se transformou em um “case” de administração financeira no país. As 3 últimas gestões do clube cumpriram um plano de saneamento financeiro sem precedentes na história do futebol brasileiro, reduzindo despesas, dívidas e ativos e conseguindo potencializar ao máximo o poder de compra da sua torcida, a maior do continente. Ficou tão bem de vida que já tem planos de comprar um time no exterior para servir de vitrine aos jogadores que produz aqui.

Combinando-se os balanços dos clubes e o plantel de jogadores de cada um, chegamos a uma conclusão econômica no mínimo rara. O time com mais chances teóricas de vencer a Libertadores este ano não é o mais rico e sim o que tem mais dívidas.

O Atlético já lidera o campeonato Brasileiro com folga. Entra na fase final da Liberadores como favorito porque seu elenco de astros é mais atual, foi montado depois de Palmeiras e Flamengo, que já ganharam a Copa continental quando eram líderes em dívidas.

Nem o Barcelona do Equador escapa dessa salada econômico-esportiva. O clube de Guayaquil deve US$ 50 milhões (cerca de R$ 260 milhões). Pode até produzir uma surpresa típica das competições eliminatórias, mas não tem dívida suficiente para fazer frente aos brasileiros.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare