O Brasil viu a jovem Rayssa Leal, de apenas 13 anos, se tornar a medalhista mais jovem da história do país em Jogos Olímpicos, no quarto dia de competições em Tóquio. Com desempenho brilhante, a skatista venceu a medalha de prata no skate street na primeira prova feminina da modalidade na história das Olímpiadas.
Foi a segunda medalha do skate brasileiro, e, curiosamente, essa campanha magistral em nova modalidade olímpica, desnudou um problema de relacionamento dos atletas e da cúpula da Confederação Brasileira de Skate (CBSK).
Logo após Kelvin Hoefler ter conquistado a primeira medalha do Brasil nos Jogos de Tóquio, Letícia Bufoni, colega de equipe, usou suas redes sociais para justificar o motivo de não ter parabenizado o atleta — o que fez com o medalhista de ouro, o japonês Yuto Horigomi.
— O Kelvin, pelo que vocês perceberam, ele nunca está com a gente nos “rolês”, ele nunca faz parte das nossas atividades por uma opção dele. Ninguém tem nada contra ele, pelo contrário, está todo mundo aqui comemorando que o Brasil ganhou uma medalha. Respeito muito a história dele, mas, infelizmente, ele não gosta de estar com a gente — contou Bufoni em um vídeo postado no Instagram.

Numa live neste domingo com o jornalista Ivan Moré, Kelvin confirmou que se afastou, mas por ser uma pessoa pacata:

— Eu sou um cara bem pacato, sou do Guarujá, sou bem quieto, eu vim aqui para ganhar medalha, vim aqui para representar o meu país. E o que eu fiz? Estou aqui por um objetivo. Eu me isolei, fato, isolei, porque eu tenho um objetivo de levar essa medalha aqui para vocês, para todos os skatistas do Brasil, que eles sim merecem isso daqui.

A skatista também afirmou que Kelvin se afastou da própria CBSK, chegando a bloquear os perfis da entidade nas redes sociais. Esse distanciamento chegou a ser creditado ao fato da esposa de Kelvin, que também é sua técnica, Ana Paula Negrão, não ter podido viajar com ele para Tóquio. Ela negou que tenha havido veto a seu nome e confirmou que apenas o staff da CBSK poderia estar presente nas Olimpíadas.

2 Comentarios

  1. Gente, que legal! Com 13 anos já ganhou uma medalha olímpica. Se o esporte continuar nos Jogos, poderá ganhar muito mais. Ainda mais certamente vai inspirar muita gente a praticar o esporte. Parabéns! Arrasou!

  2. Quer dizer que tem que andar com a patota ? Cada um tem que viver de acordo com seu perfil, isso tem e deve ser respeitado. Como diz a molecada: ” Cada um no seu quadrado”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare