Fla x Timão no limite da margem de erro
Fla x Timão no limite da margem de erro
Na Folha de S. Paulo – O Flamengo aparece à frente do Corinthians em pesquisa Datafolha sobre as maiores torcidas do Brasil em grande parte graças à liderança da equipe carioca na preferência dos habitantes das regiões Norte e Nordeste.
Considerando todo o território nacional, o Flamengo tem a preferência de 18% dos torcedores e está tecnicamente empatado na liderança com o Corinthians, com 14%, no limite da margem de erro (dois pontos percentuais para mais ou para menos).
Na região Sudeste, o time paulista está numericamente à frente da equipe rubro-negra, com a preferência de 19% dos torcedores contra 14% do Flamengo. Se considerada a margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos no recorte regional, porém, as equipes estão tecnicamente empatadas na primeira posição.
Já no Norte do país, o Flamengo ocupa a primeira posição na preferência dos torcedores de forma isolada, com 37%. A equipe não é alcançada pelo Corinthians, o segundo colocado numericamente, com 8%, mesmo se for considerada a margem de erro de seis pontos percentuais.
A situação se repete no Nordeste onde o time rubro-negro tem a preferência de 23% dos torcedores, contra 9% da equipe alvinegra. Nesse caso, a margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos.
O clube paulista aparece em pé de igualdade com o Flamengo na região Sul onde tem a preferência de 12% dos torcedores contra 8% da equipe rubro-negra.
Nessa região do país, Grêmio, Internacional e Corinthians estão tecnicamente empatados na liderança da preferência dos torcedores considerando a margem de erro de cinco pontos percentuais para mais ou para menos. O time tricolor, porém, está numericamente à frente dos adversários, com 20%, contra 18% de colorados.
Na região Centro-Sul, Flamengo e Corinthians estão tecnicamente empatados na liderança considerando a margem de erro de seis pontos percentuais para mais ou para menos. Numericamente, porém, a equipe carioca está à frente, com 23% contra 15% de corintianos.

SEM ALTERAÇÃO

Os dois títulos de Brasileiro conquistados desde a última pesquisa pelo Corinthians não alteraram de forma significativa a preferência dos torcedores. Os índices dos dois clubes mais populares no último levantamento, realizada de 29 a 30 de janeiro, são iguais aos do Datafolha anterior, realizado de 3 a 5 de junho de 2014.
Nos últimos anos não houve grande variação na porcentagem de torcedores de cada um dos 14 maiores clubes do país. Desde 2007 os índices apenas oscilam dentro da margem de erro.
No limite da margem de erro, São Paulo, Palmeiras, Vasco e Cruzeiro estão tecnicamente empatados na terceira posição. A equipe do Morumbi conta com a preferência de 8% dos torcedores brasileiros, seguida pelo time alviverde, com 6%. Vasco e Cruzeiro estão logo atrás, com 4%.
Grêmio (3%), Santos (3%), Inter (3%) e Atlético-MG (2%) vêm na sequência. Botafogo, Fluminense, Bahia e Vitória têm 1% cada. Os demais times citados somam juntos 8%, sendo que 22% disseram não torcer para nenhum time.

12 Comentarios

  1. Nessas regiões Norte e Nordeste, a Globo só transmite futebol Carioca, já vi muitos torcedores dessas regiões reclamando. Sorte que além da TV a cabo a internet expandiu muito, décadas passadas era bem mais complicado.

    • A Band sempre deu mais espaço a times paulistas, ao 5ma11, em especial. Óbvio que num tem o mesmo alcance que a Globo, mas vocês dizerem que num dá pra acompanhar o time por causa de Globo é muito exagero. A Band fazia a transmissão para o NÉ tal qual a Globo SP. E ainda tinha a Record que fazia o mesmo.

      • Mas a Globo obrigava a Band a transmitir o mesmo jogo, a diferença é que o sinal da Band pela parabólica é de SP, e o da Globo o sinal é do Rio, se for assistir a Band local a transmissão seria de time carioca.

        • E eu tô falando dos que têm parabólica mesmo. Ou eles não contam? Quando Record, RedeTV e Band investiam pesado em esportes, quem torcia pra algum time paulista tinha três opções pra acompanhar seu time, enquanto os que torciam pra algum carioca, tinham só a Globo. Isso sem contar as emissoras menores como Cultura, Gazeta e uma religiosa que não lembro o nome. Levando-se em consideração, que é de praxe as emissoras paulistas priorizarem o 5ma11, alguns de vocês lamentarem por não poderem acompanhar o time pelo fato da Globo só transmitir cariocas, é uma tremenda sacanagem. Hoje, essas emissoras não exibem tanto futebol, por outro lado, há a internet que ampliou o acesso à informação nesse sentido também.

          • Conta. Mas não é todos que tem! É aí que tá problema, pois era obrigados a assistir o mesmo jogo da Globo, pela Band local da região.

  2. O torcedor do Nordeste que torce pra times paulistas e cariocas é marginalizado. Seja pelos rivais ou pelas próprias torcida. É como se não tivéssemos direito de torcer pra times de outros estados, ou que fôssemos menos torcedores por isso. Mas é algo que só existe com nordestino e nortista. Os boludos do blog antigo viviam me criticando por torcer pro Santos, ou me meter em assuntos de times paulistas. Mas a bruxa Fátima era paranaense e torcida para um time paulista, mas ninguém mandava ela torcer para um time de lá. O mesmo servia pra Lucass14, que é mineiro. Tinha um rapaz que também era do Paraná e torcida pra Porcada e ninguém dizia nada. Sinceramente eu não entendo essa implicância.

    • “Marginalizado” pelos adversários, não pelos próprios torcedores. Os mulambos, por exemplo, sabem que precisam dos “torcedores” do NO/NE para se jactarem como 1ª torcida do Brasil. Eu adoro saber que temos, atualmente, crescido mais no NE do que crescíamos há algumas décadas…

      • É marginalizado pela própria torcida, sim!! Seja por estarmos distantes do Sudeste, o que impede que acompanhemos o time “in loco”, logo, não tem como ser um torcedor tão apaixonado como o que mora perto do time, seja pelo menor poder aquisitivo da região, que significa menos retorno financeiro. Você mesmo, é um dos que diz que o 5ma11 domina a cidade mais importante do País e isso por si só, já o coloca em vantagem em relação ao Flamengo. Adora saber que cresce no NO/NE, pois pode usar isso na biografia do clube, como mais um exemplo, de mesmo com as adversidades, – o apoio da Globo para fazer o Flamengo dominar essas regiões – vocês conseguiram virar o jogo e capitalizar muitos torcedores nesse ambiente hostil. É romântico, é interessante fazer marketing com isso. Em termos de ibope e ganho monetário, o torcedor daqui, não tem nenhuma importância pra maioria de vocês, a não ser ajudar a ganhar essa guerra particular com o Flamengo pela maior torcida do Brasil.

        • Claro que não é como o torcedor do S/SE, em termos de mercado publicitário, pois o daqui é mais valorizado pela maior população e pelo maior poder aquisitivo (mas isso é válido como diferencial dentro do próprio SE, igualmente, pois é sabido, por exemplo, que por aqui o mercado de SP é mais valorizado que o do Rio, enfim, a vida é feita de hierarquias, mas que nunca são definitivas, por isso mesmo que eu acho que se deve cultivar todos os mercados). Não acho “romântico” crescer no NE. É uma questão estratégica e de marketing, mesmo…

          • Então você concorda que há uma marginalização, já que reconhece que o torcedor do Sul/Sudeste é mais valorizado por seu poder aquisitivo, certo? E isso não leva a outro tipo de inferiorização? Esse torcedor mais humilde não pode comprar uma camisa oficial ou ir a um estádio com facilidade, logo, não é considerado tão torcedor quanto o que pode fazer isso com certa frequência. Isso é certo? Vocês se denominam um time de favela. Um cara de comunidade aí de Sampa, tem um poder aquisitivo pequeno também, mas ele é renegado? Além do viés financeiro, há o futebolístico. O Nordeste não tem o peso esportivo do Sul, por exemplo. Pra vocês, é legal saber que um gaúcho torce pro 5ma11, pois será menos um gremista ou colorado. Em se tratando de Nordeste, não há essa “vantagem”, pois não existe uma rivalidade de vocês com os times daqui. E ainda há um entendimento, por parte de alguns, que o nordestino não gosta nem entende de futebol, não sei se por essa questão de não ter tanta representatividade no cenário nacional ou “simples” preconceito. Conquistar o NE é uma questão de marketing e estratégia, isso soou bem frio…, mas o que vocês fazem para consegui-lo? Acha que é só papel da Rede Globo transmitindo jogos do 5ma11 pra região?

          • A “marginalização”, se existe, é um equívoco do marketing. Pode haver um foco dirigido, preferencialmente, para um mercado (foi o que disse). Mas isso não torna o 2º ou 3º mercados desprezíveis (não sou do ramo, mas tenho certeza de que a publicidade opera em diferentes estratos, às vezes, simultaneamente). Se o Corinthians nada faz pela divulgação do Clube no NE, comete um erro (até porque, na minha opinião, corinthiano nordestino é mais corinthiano do que mulambo nordestino é mulambo, até pelos percalços por que passa, pra se afirmar). Aliás, um dos gravíssimos problemas resultantes desse contrato de exclusividade com a Globo é esse: o SCCP nunca terá o mesmo tratamento dispensado ao Meiguinho, pois o NE serve, pra ela, de anteparo a um crescimento descontrolado do Timão…

          • Rs. Bem, então o5ma11 não faz nada mesmo para investir no torcedor nordestino e fica nesse rame-rame com a Globo por ela não dar espaço ao clube tanto quanto dá ao Flamengo. Culpar a Globo, mas não fazer nada por conta própria para mudar esse cenário, é muito cômodo. O 5ma11 já fez tentativas, frustradas, de se inserir no mercado chinês e até americano, mas nada do gênero em se tratando de NE, se isso não é uma prova que ele não se interessa pelo torcedor daqui, por questões de grana ou status, eu não sei o que é. Seria um lindo exemplo de brasilidade, aliás, priorizar o torcedor brasileiro, antes de partir para o estrangeiro. Mas…, rs.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare