Capa do L’Équipe desta 3a feira
Quando Neymar, duas semanas depois da Copa, veio a publico pedir desculpas pelo seu desempenho na Rússia, por meio de um comercial da Gillette no caríssimo intervalo do `Fantástico`, o mundo quase desabou sobre a sua cabeça.
 Nosso camisa 10 perdeu ali a oportunidade de fazer algo bem mais simples, e não pedir que todos nós – brasileiros, torcedores, sofredores – nos fingíssemos de bobos.
 Eis aqui a essência de todo esse calvário que Neymar está vivendo em sua carreira. Ele é um craque de talento super-dotado, é capaz de fazer coisas com a bola que até Deus duvida, mas, ao contrário do que tentou dizer naquela esfarrapada mensagem da lâmina de barbear, não aprendeu a maior de todas as lições: a simplicidade. 
 Alguém algum dia deve ter defendido a ideia de que fazer algo complexo era para os mais inteligentes. 
 Por isso Neymar é caçado dentro de campo. Num dos últimos jogos pelo PSG, um zagueiro do Strasbourg desabafou com incontida revolta:
 “Eu respeito o jogador que ele é, mas não estamos lá para nos divertir. Nós não somos seus lacaios. Se ele quer se divertir, nós respondemos com nossas armas”.
 Você nunca viu ninguém se referir a Messi dessa forma. Nem a Pelé. Nem a Ronaldo Fenômeno. Nem a Zico. O craque, o verdadeiro gênio, é capaz de superar qualquer adversário sem necessariamente menosprezá-lo ou desmoralizá-lo. Este  parece ser o objetivo de Neymar quando provoca e faz firulas. Quando sente prazer em humilhá-los.
 Desnecessário. Absolutamente desnecessário. Por causa de sua arrogância, ele só foi capaz de fazer uma autocrítica quando os publicitários da Gillette lhe forneceram um roteiro. O pior é que, naquela ocasião, escondeu-se dos julgamentos por meio de uma suposta imagem de garoto:
“… Não é porque sou um moleque mimado, é porque não aprendi a me frustar… Você não imagina o que eu passo fora do campo”, disse naquele manjado comercial.
Neymar, meu caro, escute aqui, por favor: o simples pode ser mais difícil que o complexo. Além de evitar que você viva eternamente sendo caçado dentro de campo por adversários que querem quebrar-lhe as pernas.

7 Comentarios

  1. Porque o Neymar não oferece ajuda para o povo de Brumadinho? Ajudar o próximo faz um bem danado a alma!

  2. Esse estilo de jogo dele de provocar os adversários, não muda, é o jeito dele desde os tempos de Prantos.

  3. Neymar não ouviu nem os conselhos do Pelé, vai fazer o quê?Cada um colhe o que planta.Jogador com a habilidade dele deve tocar rápido no meio de campo para trás, driblar só proximo a área adversária ou quando esta em velocidade em direção ao ca,po adversário. Pisar na bolabno meio de campo e não tocar e chamar caneladas dos caneludos.

  4. Eu não acho que driblar e abusar da habilidade é humilhação. Desde que aliado à objetividade. Mas, Neymar está com uma má fama absurda e tudo que ele faz irrita os adversários e parte do público. Se esse estilo de jogo está comprometendo seu bem estar físico, deveria repensar essa atitude.

  5. TDO! Só com tratamento intensivo (e sem garantia de resultados)…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare