Rogério Caboclo pediu à comissão de ética da CBF a recondução ao cargo de presidente da entidade.Ele está afastado desde o começo do mês, após ter sido acusado de assédio moral e sexual por uma funcionária. Em sua petição, Caboclo argumenta que a decisão de suspendê-lo por 30 dias não possui previsão legal. Segundo sua defesa, o estatuto e o código de ética da CBF não tratam da possibilidade de suspensão do mandato de dirigentes envolvidos em processos ético-disciplinares.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare