Enfim, começou a Copa América.

E começou com uma indelicadeza do país anfitrião antes do apito inicial do árbitro: o capitão Casemiro recebeu uma flâmula da Venezuela, mas não retribuiu a gentileza, como é de praxe. Postei isso no Twitter (@marcondesbrito) e em menos de meia hora já tinha mais de 10 mil visualizações. A indelicadeza da CBF bombou rapidamente.

Mas, com a bola rolando, nós vimos um Brasil preguiçoso. Tite pôs em campo a sua força máxima, mas não havia o mesmo sentimento, o mesmo empenho dos jogadores. Parecia um treino ou, quando muito, um amistoso.

É bom lembrar que a delegação venezuelana – fortemente atingida pelo vírus da Covid-19, teve de substituir meia dúzia de convocados. Se brincar, é possível que tenha mandado buscar até alguns motoristas de taxi pra completar o elenco.

Mas o Brasil demorou mais de 20 minutos para abrir o placar, com Marquinhos, num lance confuso dentro da pequena área. Neymar depois fez de pênalti e atingiu 67 gols com a camisa da seleção, ultrapassando Ronaldo Fenômeno. Agora, na frente dele, somente o Rei Pelé. (77 gols).

Neymar ainda deu assistência para Gabigol empurrar pra dentro, de peito: 3×0.

Ganhamos porque seria quase impossível perder.

Assim como é absolutamente impensável não avançar para a próxima fase. O regulamento da Copa América tem dois grupos de 5 equipes e apenas uma não se classifica.

1 Comentário

  1. Amanhã eles providenciam a flâmula…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare