No jornal Le Parisien (Por Dominique Sévérac) -Neymar quer deixar a Ligue 1 e, por uma vez, não é uma questão de dinheiro. Ele pode nunca encontrar o contrato que assinou em Paris, o que lhe permite receber cerca de 35 milhões de euros por ano, sem pagar impostos, tarefa que o PSG realiza. O funcionamento interno de suas intenções de partida permanecem um mistério como ele tem alguns amigos na força de trabalho (Mbappé, Verratti, Thiago Silva, Marquinhos), um relacionamento rosado com Thomas Tuchel, e uma equipe mais estruturada nesta temporada para a esperança melhor, especialmente na Liga dos Campeões.
O motivo pode estar na aspereza da Ligue 1, campeonato em que ele se machucou duas vezes no quinto pé direito metatarsal (fevereiro de 2018 e janeiro de 2019). O pé direito ainda machucou em 5 de junho , com uma grande torção desta vez, durante um amistoso Brasil – Catar que o fez perder a última Copa América.
O PROBLEMA AINDA EXISTE
Seu pé direito continua sendo uma preocupação permanente. Um novo médico, Christophe Baudot, acaba de tomar posse no clube da capital. Ele provavelmente foi capaz de trocar com o ex-diretor médico do PSG, há muito tempo liderado pelo Dr. Eric Rolland, cirurgião ortopédico, um spawn da profissão, conhecido mundialmente por ter operado com sucesso o atacante brasileiro Ronaldo (joelho) em 2008. O clube se separou dele neste verão e sua situação com o PSG não está resolvida. Sua equipe estava bem ciente da fraqueza muscular de Neymar nesse ponto de seu corpo.
Para os ex-médicos do clube, o pé do brasileiro é muito magro e o risco de recaída no quinto metatarsal é muito provável! Isso levaria a uma nova ausência de vários meses, enquanto o brasileiro perdeu a fase eliminatória da Copa da Europa contra o Real Madrid em 2018 e os dois jogos contra o Manchester United em 2019.
PSICODRAMA
 Se não o agora famoso quinto metatarso, a constituição do pé sugere, segundo eles, outras falhas por vir. Lembramos que a primeira operação de Neymar, liderada pelo médico da seleção brasileira, havia se voltado para o psicodrama, despojando Paris de suas prerrogativas, enquanto o clube da capital paga seu caro jogador. Neymar havia retornado muito (rápido demais) para a Copa do Mundo na Rússia. Desde então, alguns duvidaram da solidez da primeira operação realizada pelos brasileiros.
A Ligue 1 não ajuda: é um campeonato mais físico do que em outros lugares, com muitos contatos e uma série de equipes, exceto o pódio, que causam grande impacto para compensar, às vezes, falta de qualidades técnicas. Mesmo se não houver instrução de treinadores, o reflexo dos jogadores durante a partida é buscar o pé de Neymar para assustá-lo e mudar sua direção de jogo sob pressão. Na Liga espanhola , a competição é considerada menos atlética, mais técnica, com mais jogos e estrelas menos lesadas nos contatos.
Sem saber se Neymar sairia bem da França, o ex-diretor médico tinha sérias dúvidas sobre a continuação de sua carreira em geral, na França em particular. Na quarta-feira, o Dr. Rolland nos mandou de volta ao seu advogado, Jean-Jacques Bertrand, que disse não fazer comentários em nome do sigilo médico.

3 Comentarios

  1. Ele nunca se cuidou, como atleta. Quem não lembra? ele tinha acabado de largar as muletas, e tava no carnaval de Salvador, nunca foi um profissional de verdade.

  2. O PSG tá sendo bem burrico em deixar divulgarem essa informação. Quem vai querer comprar um jogador bichado? Anda mais por uma fortuna, que é o que eles estão pedindo?

  3. e cadê a tal da ética médica? esse médico pode sair falando groselha desse jeito?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Logo Qualitare